É a Última Que Morre

Muitos me perguntam porque eu não tenho alguém especial.
Para todos, respondo que eu gostaria de saber o por quê também. Alguns me apontam o dedo dizendo que talvez eu escolho demais, outros que eu não me permito me relacionar, tem também as pessoas que dizem que estou esperando a pessoa perfeita.

Só que não é isso.

As coisas andam bem estranhas no mundo. A gente vive uma realidade onde os amores são por conveniências, e depois que passa a vontade de manter por perto, é só terminar, é só dar tchau. E vai saber, talvez eu seja de uma outra geração, uma geração que aliás eu nunca nem vivi, talvez minha genética seja antiga. Não sei lidar.
A verdade é que as coisas hoje estão bem superficiais. É muito fácil encher a cara numa balada qualquer e sair de lá com uma amor novo. É fácil também encontrar companhia para os desejos de sexo. Não há dificuldade em conseguir 2 ou 3 beijos só pra matar a vontade. Essas coisas, hoje, são “normais”. Só que ter alguém vai além disso.

A tentativa de entrar em um consenso sobre ter alguém, sobre valorizar e sobre o mundo em que vivemos, pode render uns fáceis mil dias de conversa. É bobagem tentar convencer alguém, por isso cada um de nós temos uma vida pra cuidar, mas dá pra dizer que você sabe quando está sentindo algo especial ao sentir vontade de cuidar da própria vida e ajudar outra pessoa a cuidar dela. E aqui falo no sentido amplo de cuidar de alguém, de resolver os problemas, de aguentar as crises, de superar as coisas, juntos. Isso que é meio difícil de encontrar hoje em dia. É difícil mas ainda dá pra encontrar, só que algo que não devemos buscar. Louco, né? Existe algo que nos espera mas nós não podemos procurar! Acontece que a vida prepara as coisas pra gente na hora em que precisamos viver. Viver requer preparo para o movimento, testes com o coração.

E a gente esquece que viver é mais que ter alguém.

Afinal, nós temos muitas pessoas que nos fazem viver bem. É a família, são os amigos, somos nós mesmos, nosso trabalho, estudos e os prazeres que podemos viver para preencher a lacuna de todos os sentimentos que o nosso coração é capaz de agrupar.

A gente vive pelo coração e não pelo amor.

Por mais que a pressão do mundo seja tão forte e nos force a acreditar que só com o amor a gente vive, não, a gente não vive só dele, DELE TAMBÉM claro, mas não SÓ dele! Vivemos da raiva, da saudade, da ansiedade, da lição, da decepção… São inúmeros os sentimentos que nos fazem sentir vivos! E claro, o amor, sendo o mais bonito deles, é quem podemos dizer que rege o coração, no entanto, nunca vou cansar de dizer que ele não é tudo. Até por quê, estou falando do amor midiático, o amor de ter alguém, de que só podemos ter felicidade se termos alguém, o amor que o mundo nos diz ser ideal. O amor é tão completo e maravilhoso que é aplicado em outras situações. Amor à família, amigos, trabalho, hobby, os melhores sentimentos sobre essas coisas nada mais são que novas formas de viver o mesmo amor que temos no coração.

Mas a gente esquece, e nessas horas, ter ou não alguém pesa muito.
É que existem alegrias que só se tornam felicidade se temos alguém para dividir. E para esse papel, os amigos não são tão eficientes, a gente quer alguém pra olhar nos olhos, alguém pra ser a primeira pessoa na lista de quem ligar em todas as horas, alguém para mostrar o que sabemos fazer e o que queremos aprender. Alguém para dar a mão.

Pena que o mundo anda estranho demais que até acreditar num sonho pode ser tachado de bobagem.
Não podemos compartilhar algo de bom que vivemos, que do nada vem gente dizer que somos efusivos demais, vem gente alertar sobre os invejosos – que penso que na verdade ao considerar a possibilidade deles só estamos os atraindo – vem gente dizer que falamos demais. Tem horas que dá pra pensar que as pessoas não estão prontas para serem felizes. A felicidade, por essência, é algo que quanto mais irradiado for mais intenso será, contagia, ilumina, revigora. Mas nem toda felicidade é bem-vinda, sabemos disso e a gente só continua vivo, a gente só continua nesse mundo, por acreditar que as coisas sempre podem mudar. Sempre há esperança.

E tem as pessoas que me perguntam porque eu não tenho alguém especial.
Respondo que não sei, mas que eu gostaria de ter.

Anúncios

Uma resposta em “É a Última Que Morre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s