Episódios Ruins Não Precisam de Reprises

Leia ouvindo: http://www.youtube.com/watch?v=qKpLtHw7IKQ

Chega uma hora na vida que a gente aprende a ver algumas coisas de maneiras diferentes.
Por exemplo, quando pequenos, ficamos ansiosos pelo aniversário porque é quando ganharemos presentes, depois de mais velhos, nos preocupamos em apenas reunir as pessoas que nos fazem algum bem. Valores e prazeres novos de uma mesma felicidade.

Nesse sentido, lembro que os motivos que sempre tive pra comemorar eram só meus ou de alguém da minha família, aí o mundo girou e me ensinou uma nova forma de ver a felicidade, que é a que me encontro hoje.

Hoje a minha felicidade é totalmente dependente da sua. É isso.
Não há sorriso no meu dia se não houver no seu também. E claro, não que eu seja submisso ao seus prazeres, longe disso, prefiro falar que aprendi a compartilhar dos seus sentimentos. Se você está feliz, pode ter certeza que estou ainda mais por te ver assim; se está triste, acredite que sou quem mais pensa em encontrar uma maneira de te fazer ficar bem logo.

Você é o tipo de gente que não merece nada menos que a felicidade.
Não vou enumerar minhas justificativas, até por quê é muito subjetivo e varia de pessoa pra pessoa, mas eu tenho meus reais motivos pra lutar pela sua felicidade e pra viver tanto os seus sentimentos. Há quem diga que isso é ser “grude”, penso que quem diz isso só quer uma pessoa que faça o mesmo. É confortável reclamar de algo que não temos mas queríamos ter, é confortável encontrar defeitos em coisas que não tem defeitos ou criar julgamentos em coisas que não simplesmente não podem ser julgadas.

Todos que nos dizem o que fazer, não sabem o que fazer quando é a vez deles.

Mas tudo bem, não é de hoje que não dou atenção para o que as pessoas dizem com relação a gente e especialmente com relação à mim e às minhas atitudes. Sempre vai ter alguém pra falar qualquer coisa e eu tenho dó dessas pessoas, porque elas só querem ter ocupação com a própria vida pra não precisar falar da vida de mais ninguém, elas só querem alguém como eu tenho você.

Acho que cheguei num certo ponto de maturidade. Penso nisso quando percebo nos planos que tenho pra gente, no valor pelas minúsculas coisas que aprendi a ver depois de você e na minha sincera e gratuita preocupação em saber como foi seu dia. É que eu já fico desenhando o nosso futuro aqui na minha cabeça, quando for a hora do mais importante “sim”, quando for a hora de decidirmos os nomes dos nossos pequenos…

Nunca pensei que ia gostar tanto de ver alguém se maquiando como gosto de ver você, mesmo com caras e bocas. Ou,  que ia achar tão divertido ver alguém escovando os dentes, ou também que ia gostar  tanto de perder noite de sono pra ficar vendo outra pessoa dormindo como as vezes faço com você. São coisas que de repente eu já tinha em mim, mas que só você conseguiu explanar, só você conseguiu fazer com que eu colocasse pra fora estes que são alguns prazeres que hoje eu gosto tanto de sentir.
Tenho certeza que se caso a nossa história seja interrompida, eu não vou conseguir ver essas coisas em outra pessoa…

Ainda sobre a maturidade que estou falando, hoje me preocupo em saber como foi o seu dia, como foi no trabalho e se está se sentindo motivada diariamente. Uma visão amadurecida. Em outra época me preocuparia se você tinha borrado suas unhas recém-feitas ou se tinha molhado o seu cabelo recém-escovado. Olha, são preocupações que ainda tenho, não mudei tanto nisso, o que mudei foi a escala de valor por todas as preocupações.

Tenho certeza que posso ser mais útil te motivando do que compartilhando uma dor sua.
Por isso, não preciso ficar perguntando tanto como e porquê algumas coisas ruins aconteceram, preciso pensar em como te fazer melhor, em como te motivar e em como te relembrar como você é muito maior que qualquer dor.

Está entendendo o negócio da maturidade que eu falei?
Sou a mesma pessoa, mas agora vejo diferente, agora, depois de você.
É muito trivial eu adotar o discurso de querer e lutar pela sua felicidade, mas quando digo isso há um sentido mais profundo. Primeiro, eu não consigo controlar as coisas que acontecem na minha vida, o que dirá na sua? Logo, devemos aceitar as coisas que a vida nos faz viver, visto que não podemos simplesmente desfazer. Segundo, é uma questão de aproveitar melhor o tempo. Ao invés de eu ficar na de “calma, vai passar”, “não fica assim”, “é complicado, eu sei”, falando coisas que você sabe, prefiro aproveitar o tempo e a fragilidade do seu momento para algo tipo: “vamos sair pra tal lugar, você precisa espairecer” ou “comprei o chocolate que mais gosta, pra te animar”, ou seja, prefiro propor soluções do que desdobramentos

Filosofei falando sobre a sua importância pra minha vida. E falaria por mais horas e horas.
Foi um “resumo aprofundado” sobre minha mudança de pensamento e comportamento, sua relação com isso e como eu vejo até onde tudo pode chegar, basicamente por um motivo: eu gosto de você e ninguém nunca vai gostar mais que eu.

Anúncios

2 respostas em “Episódios Ruins Não Precisam de Reprises

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s