Fazendo das Pequenas as Melhores Coisas

10h13.
Invadem o quarto alguns insistentes raios de sol.
Quando me dei conta que realmente acordei percebi que você continuava dormindo. Recalculei meus movimentos para não te atrapalhar.
Delicadamente retirei sua perna de cima das minhas e sua mão do meu peito e levantei da cama até a janela para juntar as cortinas, e assim pode esconder um pouco da luz do sol para prolongar aquele climinha de madrugada.
Voltei para a cama.
Não sei se você estava acordada ou se eram movimentos involuntários, mas você entendeu que eu havia voltado e prontamente recolocou suas pernas sobre as minhas e usou meu peito como travesseiro.
Com uma mão atrás da cabeça, escolhi não mudar esse cenário e fiquei olhando pro teto. Naquela altura, o maior som era o da minha respiração e eu conseguia te ver levantando e abaixando em meu peito.
Procurei me certificar que seus pés estavam cobertos. E não estavam. Pausadamente os cobri novamente fazendo dos meus pés meus braços.
Voltei para a primeira posição mas eu já não tinha sono para voltar a dormir, já você, parecia que estava apenas começando a entrar em sono profundo.

Os melhores carinhos são os que a gente menos espera.

Continuei com uma mão entre minha cabeça e o travesseiro, mas coloquei a outra em seu cabelo. Separava uma porção de fios para trás da orelha; ia para o rosto e fazia pequenos círculos com efeito de massagem. Quando você se retorcia, aparentemente acordando, eu parava. Então, após perceber que eram movimentos em sono, voltava para o meu trabalho.

A felicidade tem imprevisível data de validade.

11h23.
Percebi que já tinha passado muito tempo desde que acordei e eu continuava ali: querendo continuar ali. Os bons modos dizem que é importante acordar cedo para o dia render mais, mas quem disse que eu meu não estava rendendo? Eu não me importava com o que eu a gente ia fazer no resto do dia, só queria continuar ali naquele momento.
Então você se movimentou, levando minha mão para si indicando que ficaria de costas, mas que gostaria da presença do meu abraço. Não hesitei.
Fechei a conchinha e por ali ficamos. Como de costume, nossas pernas flexionadas se encaixaram perfeitamente e partir daquele momento, fisicamente, éramos um só. Envolvi meu braço por cima do seu corpo até chegar próximo ao seu rosto e encontrar suas duas mãos que ocupavam um pequeno lugar entre parte da sua bochecha e o travesseiro. Lugar, no entanto, com espaço o bastante para caber uma das minha mãos. E por ali ficamos.

Quando estamos deitados, nossos corpos atuam como atalho para o encontro dos nossos corações. Não é só deitar juntos, é sentir um ao outro.

Nossas cabeças estavam praticamente coladas e eu encaixei meu rosto atrás do seu pescoço, fazendo com que você sentisse detalhadamente a minha respiração pausada.
Meu ângulo não favorecia com que eu continuasse observando o relógio, portanto, não consegui mais ver os minutos passando, e ao mesmo tempo, não conseguia embalar no mesmo sono que você. Só que eu também não queria sair dali.
A sensação de te ter assim tão perto, de sentir a maior quantidade de células possíveis do seu corpo é algo que me arrepiava ao passo que me trazia solitários e tímidos sorrisos.
Me afastei um pouco deixando meu braço na região da sua barriga. É que eu queria ver seu corpo melhor.
Impressionante como você parece ter sido projetada centímetro por centímetro, tamanha a simetria de curvas com o tom de pele. É possível enxergar tua sensibilidade exalando por todo o corpo.

Eu gosto tanto de te ver dormir.
Gosto tanto de te ver.
Gosto tanto.

Aos olhos de fora, estávamos apenas deitados, mas para mim, estávamos ali unidos, materializando tudo o que acreditamos como importante para nós: a cumplicidade de um para o outro. E dentro disso, todos os movimentos fazem sentido. Seu jeito de deitar em meu peito como se procurasse refúgio; minha mão no seu cabelo e no seu rosto como se eu falasse “Estou aqui!”; sua atitude em mudar de posição e me levar para ainda mais perto de você; meu braço por cima do seu corpo até o seu rosto no maior gesto de segurança. Tudo faz sentido.

Mudando a forma de ver, a gente vive diferente.
E eu nunca vi nossos gestos e nossos momentos como algo meramente normal.
Pra mim, cada segundo que você tem influência na minha vida é um segundo que eu considero especial.
Da sua mensagem de saudade ao seu jeito de me pedir conchinha.

CURTA: http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois <3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s