Se For Desse Jeito, Eu Gosto

ATENÇÃO: TEXTO ESPECIAL RECOMENDADO PARA MAIORES DE 18 ANOS! <3

“O dia tinha sido muito cheio.
Chegamos em casa muito cansados, mas mesmo assim escolhemos um filme pra ver aquela noite.
Deitamos após uma caneca de chá pra relaxar.
Pés cobertos, pernas entrelaçadas, fomos desacelerando.
A verdade é que não chegamos a ver sequer meia hora do filme. Dormimos. Acordei meio desajeitada no meio da noite com o clarão da TV, vi que já se passava das 3hs, ele estava dormindo, não interrompi, desliguei, coloquei o controle na cômoda e me virei.

Ele percebeu que eu tinha me mexido e logo tratou de se aproximar de mim, fazendo aquela conchinha que eu tanto gosto. O cansaço + preguiça era tanto que não consegui virar para dar um beijo de “gostei disso”.

Quando eu tinha oficialmente entrado no sono percebi que ele começou a se aproximar ainda mais, mas como sei que ele é meio doidinho e fala dormindo, num primeiro momento, preferi ignorar.

Mas ele não parou.

Venho me pressionando com mais força, pouco a pouco, colocando as pernas ainda mais entre as minhas. E ali comecei a ver que não eram simples espasmos de sono.

Eu estava bem cansada, mas a gente sempre consegue tirar energia de algum lugar, né?

Me inclinei empinando meu quadril, dando só uma pista que se a proposta fosse boa, eu gostaria de continuar.
Ele entendeu o recado e logo tratou de me segurar na cintura começando assim movimentos pausados de vai-e-vem. Eu me retorcia com certa lentidão para mostrar que eu estava com um pouco de preguiça e que não seria tão fácil ele conseguir o que queria.
Ainda de costas, coloquei minha mão direita nas pernas deles. Comecei a passear devagar. Sei que ali é uma região que ele não aguenta. Com um pouco de maldade, esfregava e voltava, só pra ver até onde ele iria. Até que uma hora resolvi ousar um pouco mais. Coloquei minha mão dentro do shorts do pijama e por ali resolvi ficar. Então naquele momento era: ele nos movimentos pausados, eu inclinada e devidamente disposta com uma mão discreta numa região ainda mais discreta.

Tá, não tão discreta assim em um momento daquele.

Queria brincar mais. Saí do shorts e coloquei minha mão dentro da cueca. Aí ele começou a respirar mais rápido hihi. Comecei a tocá-lo com delicadeza mas nem por isso menos firmeza. Apertava, percorria, esfregava, hora puxava hora soltava, até que ele me virou do nada de costas para cama e subiu em cima de mim.
Colocou o edredom nas costas, me afastou as pernas e deitou em cima de mim. Esticou meus braços e segurava com as mãos. Começou e me beijar com uma deliciosa agressividade. Foi para o meu pescoço e ali começou e me dar leves porém intensas mordidas. E eu, claro, comecei a gostar ainda mais da brincadeira.
Resolvi me permitir e deixar o cansaço de lado.

Fazia frio e eu usava uma blusinha com três botões na gola. Botões estes que ele tratou de abrir para, digamos, facilitar as coisas. Então, desceu do meu pescoço e foi em direção aos meus seios. E por ali ficou. Enquanto uma das mãos dele passeava pelas minhas coxas e virilha, a outra se revezava com os lábios nos meus seios. Me fez sentar e rapidamente tirou minha blusinha de uma vez. Eu não dormi de sutiã.
Aí eu comecei a ficar mais envolvida.
Enrolei minhas pernas nas costas dele e comecei a arranhá-lo com prazer. Ele não é besta, sabe bem como me deixar animada e até aquele momento estava fazendo tudo direitinho. Só que eu comecei a me esquentar e o negócio começou a ficar ainda melhor.
Quando percebi que ele começou a descer para a minha barriga, resolvei mudar o roteiro das coisas. Me virei e o deitei na cama. Montei sobre suas pernas, o deixei sentado e tirei a camiseta e só falei:

“Cê pediu, não pediu?”

Avancei no pescoço dele e variava entre beijos, mordidas e arranhões por todo o peito. Ele se descontrola, sei bem. Mas quanto mais eu via ele desesperado, mais aquilo tudo me excitava, mais eu queria vê-lo assim.

Fui descendo pela barriga e quando ele colocava a mão na minha cabeça demonstrando o óbvio desejo dele, eu tratava de deixar claro que eu ia fazer o que for, do meu jeito. Comecei a provocar. E ele se torturava, pois eu abaixava parte do shorts e passava minha língua por ali, depois parava. Fiz o mesmo por todo o quadril. Ele começou a suar, tadinho. Tão entregue e sedento. Só que tem coisas que a gente precisa ir com calma pra não acabar rápido demais.

Os melhores prazeres da vida são os que aproveitamos devagar.

Abaixei e retirei todo o shorts. Estava me divertindo! Era excitante vê-lo ali totalmente entregue as minhas vontades. Fui até onde ele tanto queria, mas do meu jeito. Mãos na cabeça não melhoram, logo tratei de tirar as dele.

Não há prazer igual ao de fazer alguém sentir prazer.

Então eu comecei a lamber tudo, isso, ali mesmo, tudo, vagarosamente, e ele começava a gemer. Timidamente, mas ainda assim, gemia. Comecei a aumentar o ritmo. Com uma das mãos eu fazia os movimentos, as melhores repetições da vida de um homem e pra ficar melhor, salivava suavemente para dar um clima mais, com o ingrediente de efeito sonoro. Falando assim dele, sobre como ele estava, parece até egoísmo ou prepotência da minha parte, mas confesso, aquela altura eu também já estava descontrolada e sem que ele percebesse, tirei minha calcinha e começava a suar.

Naquele momento já não havia edredom algum, estava tudo no chão, estávamos transpirando cada vez mais. Até que ele me puxou pra cima dele e eu sentei. Sentei, sentei e ali fiquei. Estávamos prontos para aquele momento, ele não aguentava mais e eu resolvi me entregar, assim como vivo a vida: me entregando para as coisas que me fazem bem.
Ele segurava na minha cintura, me apertava, enquanto eu pulava no seu colo. Tentava prender os cabelos, mas a pressão era tanta que eu não conseguia.

“QUE DELÍCIA, VOCÊ É UMA DELÍCIA!”

Adoro quando ele fala, quando ele deixa claro que está me desejando, que consigo ser completa pra ele.

Virei de costas.

Ele ainda deitado, mas eu mudei. Fiquei de costas para sentir um novo prazer em toda aquele penetração. Ainda sentava, ainda pressionada. Me apoiei nas pernas dele e dei força para o movimento de cima para baixo. Juntos, dávamos a dinâmica. E tudo ficava ainda melhor.

Então ele me tirou de cima, levantou da cama, indicou que gostaria que eu me apoiasse na cômoda.

Que eu apoiasse meus cotovelos na cômoda.

E foi o que eu fiz.

Me ver de quatro é a maior realização dele e saber disso me deixava ainda mais descontrolada, isso se chama ser feliz pelo outro estar feliz no exemplo mais corporal e literal das coisas. Novamente, fez de nós dois um só e por ali ficamos.
Começou com os movimento de frente e trás, enquanto dessa vez eu que comecei a gemer. E a gritar. E a gritar ALTO! Dane-se os vizinhos!

“ISSO, ISSO, ISSO, NÃO PARA, NÃO PARA, NÃOOOOOO Paraa…………”

Eu não conseguia falar outra coisa, eu mal conseguia respirar e ele só continuava. Feroz, selvagem, aumentando ainda mais a intensidade de tudo. E eu achando tudo delicioso. Acabei derrubando o abajur mas o barulho não nos atrapalhou em nada, pelo contrário, só deixou tudo ainda mais incrível. QUE NOITE!
Ele aumentou ainda mais a velocidade, ainda mais, AINDA MAIS, AINDA MAI, AINDA MA, AINDA M, AIND….

Caímos na cama.
Entregues.
Exaustos, ali deixados.
E no mesmo momento que caímos, a TV ligou de novo. Com o DVD desligado.

“Até que foi bom o filme de hoje, né?!” Ele perguntou irônico.
“Dava pra ser melhor, mas gostei sim!” retruquei na medida.
“Besta, hahahaha, vem cá!” rimos.”

Foi assim, amiga. Agora fala de você.

CURTA: http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s