Talvez a Culpa Seja Toda Minha

Talvez eu não seja uma pessoa pronta.
No exercício de pensar diferente, acho que vale também inverter os papeis em que me coloco e assim repensar se eu tenho assim tantos motivos pra reclamar.
E como eu reclamo, vou te contar viu?
As coisas nunca estão boas. O meu trânsito é sempre o pior, os meus amores são sempre os mais cafajestes, o meu salário é sempre o menor, a minha aparência é sempre a pior. E por aí vai.

Preferir reclamar do que tentar mudar é ver a vida correr pela sarjeta.

Meu cabelo nunca está bom.
O tempo passa mais devagar pra mim, o tempo passa mais rápido pra mim. Os elogios nunca são reais. Quando tudo dá certo, alguma coisa com certeza vai dar errado.
Assim sou eu, assumidamente assim sou eu.
Eu não coloco o pé pra fora de casa pra viver mas reclamo que a minha vida não tem vida. Eu não conheço uma pessoa nova sequer, mas reclamo que todas as pessoas são iguais nessa vida.

O problema está em mim e não na minha vida.
Problema que aliás, todo mundo tem, mas eu tenho a mania de achar que os meus são sempre os piores.

Choro com os filmes de casais felizes, mas não tenho opinião sobre o que é ser um casal feliz. Ou se tenho, não aceito outra para me rever. Admiro pessoas bonitas pelas ruas e automaticamente me faço de uma horrível pessoa e me coloco no último lugar na fila de quem tem algum diferencial. Me encanto por alguém mas não sei bem conversar com ninguém, porque fico na armadilha entre falar o que seria bom eu falar e falar o que eu sinto.

Outro problema é que eu penso demais.
A gente mergulha nos clichês de como viver e nos abraçamos neles com se fossem a única alternativa.

Hoje eu quero me rever.
Não vejo problema em deitar com uma pessoa estranha na primeira noite, se é a vontade dos dois, que seja obedecida. Meu cabelo nunca está bom, mas eu também nunca tento mudar nada para que ele fique melhor. E mais do que qualquer análise sobre o jeito que eu me comporto e o jeito que eu sou, lembro das coisas que eu já fiz com a vontade de nunca mais repetir.

Eu poderia não ter aumentado o tom de voz naquele dia. Eu poderia não ter desligado na cara. Eu poderia ter elogiado mais ao invés de exigir o contrário. Eu poderia ter feito mais surpresas ao invés de esperar alguma pra mim. Aliás, eu poderia ter esperado muito menos e ter feito muito mais. Eu poderia ter corrido atrás do jeito que eu quis e ter ignorado quem me disse que seria humilhação, nada mais e nada menos que, ouvir o meu coração. Eu poderia ter feito um monte de coisa ao invés de ter feito outro monte de coisas, mas agora já passou.

Finalmente eu olho pra mim e consigo ver o que eu quero da minha vida.
E sabe o que eu quero? Eu vou te contar:
Eu quero a demora pra acordar e ver alguém ali comigo com preguiça de se levantar com o cabelo todo enroscado e a marca do travesseiro no rosto. Eu quero cantar junto não necessariamente os meus refrões favoritos, mas os novos favoritos que a gente definir. Eu quero as mensagens mais bobas de saudade e a competição infantil sobre quem gosta mais. Quero essas coisas.

E eu já tive algumas dessas coisas.
Mas nessa de pensar que pra mim nada nunca vai dar certo como eu espero, é claro, que eu não aproveitei nada como deveria. E isso me deixa mal.
Me deixa mal porque se eu pensar de verdade, vou ver que a minha vida é ótima – não perfeita – e todos os motivos pra reclamar que existem são criados por mim mesmo. Me deixa mal porque eu tive um monte de convite pra sair nos quais todos rejeitei. Me deixa mal porque todo mundo que se aproximou de mim eu olhei torto prevendo segundas ou terceiras intenções, como se eu soubesse o final. Me deixa mal porque eu não queria desacreditar nas pessoas como eu fiz até hoje. Me deixa mal porque comecei a ver a minha vida de um jeito egoísta que consistia no mundo fazer as coisas pra mim e não eu as coisas pelo mundo.

Mas eu estou mudando.
Não sinto mais dor nas músicas que falam sobre felicidade, uso todas ao meu favor e me inspiro para construir novos motivos e novos meios de ser feliz.

Talvez eu não seja uma pessoa pronta.
Mas só o fato de ter consciência disso já me torno uma pessoa mais preparada do que fui ontem.
Uma pessoa mais preparada pra receber a felicidade que eu sonho.

CURTA: http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois <3
ps.: AINDA ESSE ANO sai o 1° livro aqui do Um Travesseiro Para Dois. =)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s