Parar pra quê se eu não quero e nem você?

É que você me conhece menos do que imagina,
ou pelo menos, por enquanto, menos do que eu gostaria.
Nunca fui daqueles que gostam por gostar, que se entregam por se entregar. Acontece que sou sempre muita verdade nas coisas que sinto e que falo.

Meus amigos sabem bem das vezes que deixei meu coração acelerar.
Não foram tantas, mas foram boas. E nunca me arrependi.
Apesar de não ter vivido tantas histórias assim, fiz com que todas fossem histórias para nunca esquecer. Sempre me dediquei e sempre fiz questão de deixar clara a importância que tinha – e terá – na minha vida cada boca que um dia eu já beijei.

É bem verdade que o tempo me ajudou a amadurecer e as histórias que de amigos já ouvi, me fizeram ter uma consciência mais lúcida sobre o que é se envolver, sobre o que é ter certeza se estou gostando tanto assim como penso. Porque sabe como é né, esse negócio de falar que gosta de alguém é muito sério, só que às vezes a gente fala uma coisa quando estamos sentindo outra, ou sentimos uma coisa e no fim falamos outra.

Sobre gostar, normal é se enganar.

Mas devo te falar, viu? Apesar de ser ansioso até demais, as coisas tem mudado para o meu lado.
Como na mais clássica e sedutora história de cinema, eu não estava lá nos meus melhores momentos quando você apareceu. O louco é colocar na cabeça que a vida, ah essa danada de vida, faz os dias passarem no capricho que ela bem entende.
Bem, eu estava saindo de um longo relacionamento e por isso é normal rolar aquela ferida de “que pena”, apesar, entretanto, de a minha história só ter tido o fim oficializado, pois já tinha acabado de fato há mais tempo do que eu queria aceitar.

O problema é quando deixamos de gostar e começamos a nos viciar na pessoa.

Chegou um momento que eu não sabia muito bem o que estava vivendo, mas por algum motivo continuava vivendo aquilo. É louco, né? É sim.
Fazia muito tempo que não via mais a pessoa do jeito que me fizesse suspirar como é importante ver para manter a relação num nível médio de convivência. Sem querer – ou não – a gente foi se afastando e o que nos prendia, talvez aquele vício, não nos prendeu mais.

Mas quer saber?
Essa história de se prender em história que ficou pra história não está com nada.
Vou guardar o que é bom, esquecer o que foi ruim e deixar isso pra trás.

Aí você veio com esse teu jeito todo seu de ser.
Por um momento pensei ter desaprendido como é se envolver com alguém de novo, sei lá, não que eu não confiasse em mim, mas rolou aquele pensamento de “que bom que ainda sou interessante, mas como lidar?” e o lado bom foi que eu até que me dei muito bem com essa situação entre nós dois.

Em pouco tempo me vi rendido ao velho jeito de entrar alguém novo na minha vida.
Nós não nos pressionamos, pelo contrário, gostamos mesmo é daquele vai-e-vem e quando pisquei os olhos a sua boca já era minha. Que coisa louca! E então quando dei outra piscada estávamos fazendo de uma noite para dois.

Bom é quando a gente lembra que a vida escorrega.

É, escorrega, sabe? Sabe quando a gente acha que tem o domínio da situação e tchãram, não temos o domínio nem do que estamos fazendo muito menos do que sentimos? Então, é tipo isso.

Gosto dessa brincadeira de gostar de novo de alguém novo.

Acontece que agora vem aquela temida hora que a gente se pergunta sobre como vai ser, né? No caso, eu me pergunto.
Tenho tentado fazer dos nossos momentos juntos, momentos pra você não querer viver com outra pessoa na sua vida, mas não sei até que ponto isso é forte o bastante como eu gostaria que fosse.

Tem que começar uma história fazendo história.

Ou seja, estou tentando, sem forçar nada, te mostrar que gostei da sua companhia no carro e do som da sua risada pra acompanhar a minha. Gostei do jeito que você me olha, das músicas que ouve e de como vê os dias de sol. Gostei também de como cuida do seu corpo e até das suas unhas assumidamente não tão bem feitas assim como diz. Gostei do frio que você fez voltar na minha barriga.

Gostei de um montão de coisa que vivemos até aqui e estou tentando fazer tudo o que estiver ao meu alcance pra te mostrar como é legal ter alguém ao seu lado que sabe gostar de você.

CURTA: http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois

Quer comprar o livro “Um Travesseiro Para Dois?”:

(fotos do lançamento em São Paulo: http://migre.me/haGLh)

É muito simples: O valor do livro + tarifas é R$ 40,00.Mande um e-mail para: umtravesseiroparadois@gmail.com com seu endereço completo + uma foto do comprovante de depósito, e então, assinarei seu livro (se quiser, claro!) e mandarei para o correio.

Os dados bancários para depósito são:
Banco Itaú
Agência: 0758
Conta Corrente: 08708-4
Márcio Rodrigues dos Santos.

Anúncios

4 respostas em “Parar pra quê se eu não quero e nem você?

  1. When I originally commented I clicked the -Notify me when new comments are added- checkbox and now every time a comment is added I get 4 emails with the same comment. Is there any way you possibly can take away me from that service? Thanks!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s