Dê mais beijos do que desculpas.

Legal, então você se dá conta que mais um ano da sua vida está acabando.
Se dá conta das coisas que poderia ter feito, das coisas que poderia ter dito, das pessoas que poderia ter visto mais, das pessoas que poderia ter visto menos, das vezes que poderia ter chegado em casa mais tarde, das vezes que poderia ter chegado em casa mais cedo. Nessa época é normal e até saudável a gente repensar nas coisas que fizemos nos últimos meses.

Não é pra fugir do passado, é pra não transformá-lo em presente.

Fim de ano nós lembramos de saudades que pensamos que nunca esqueceríamos. Lembramos também das bocas que beijamos, das camas que dormimos, do dinheiro que gastamos e de mais um monte de coisa que fez parte do nosso ano.

Agora já não adianta mais remoer o que já passou.
Não adianta se culpar por não ter respondido as mensagens do jeito que deveria, não adianta se culpar por não ter dado a atenção devida. Agora não adianta pensar em mais nada que poderia ser feito.

A verdade é que todo dia é um recomeço.

É que existem pessoas que se apegam nas promessas de ano novo. Sabe quando a pessoa fez cagada o ano todo e agora que o “clima do bem” está no ar, ela começa a pensar em recomeçar coisas e lutar contra os erros?
Nós não precisamos esperar nada acontecer para mudarmos as nossas vidas, nós só precisamos mudar. Precisamos lembrar que mudanças são bem-vindas e que datas comemorativas são só datas comemorativas, pois as contas vão chegar de novo no mês que vem, independente de ser um novo ano ou não, o que tem que mudar é o jeito que você se planeja e encara as partes boas e ruins da vida.

“Mais um ano acaba e continuo aqui sem ninguém!”
É, que pena, só que mais do que lamentar, dá pra pensar sobre o que você fez para ter alguém durante os 365 dias desse ano. Não adianta ficar no pensamento de “ahh depois das férias vou dar um rumo na minha vida!” se à partir do dia 01 cada minuto perdido é um minuto que pode ser ganho.
Vai ver ter teve um monte de gente esse ano que gostou de você e quis te mostrar que você merecia uma certa felicidade, mas você deixou alguém se aproximar? Você estava disposto a gostar de alguém gostando de você? Pode ser que não. Pode ser que você tenha recusado todos os convites e que pensou que os elogios eram maldosos; pode ser que você exigiu tanto de alguém que não enxergou o quão pouco você se dedicava pelas suas coisas, em outras palavras, pode ser que você tenha esperado alguém muito melhor do que você merece.

Não precisamos do que queremos, precisamos do que merecemos.

“Mais um ano acaba e a saudade só aumenta!”
Mas também pudera, pensando dessa maneira, se prendendo a tudo que te faz andar pra trás, se prendendo a um monte de lembranças que só te trouxeram dor e não companhia, é de esperar que você não conseguiria superar saudade alguma.

O problema é quando aproveitamos a dor ao invés de aproveitar o tempo.

A escolha sobre o que viver é nossa. É claro que não temos domínio dos nossos pensamentos e sentimentos, mas nós sabemos exatamente tudo aquilo que nos faz mal, e com isso, sabemos exatamente o que podemos evitar. Nós sabemos bem como não dar sopa pro azar. Mas não né, você foi e ouviu as músicas que lembrava a pessoa, comprou perfumes que lembravam a pessoa, fez de um tudo que lembrasse a pessoa menos alguma coisa que lembrasse da sua própria felicidade. É preciso se rever.

“Mais um ano acaba e o amor só aumenta!”
Ah, que coisa boa, né? Como é bom viver aquela fase boa das infinitas conversas no whatsapp, aquela fase de “estou passando na sua casa” ou de “que filme vamos assistir hoje” né? A felicidade é um direito de todo mundo.
Quando as coisas vão bem nesse sentido, mais do que comemorar, o importante é saber valorizar, é saber que “as coisas não estão no jeito” e que quanto mais encantadora a história possa ser, mais encantadora de fato ela deve ser.
Nós sabemos bem o que podemos fazer pra melhorar. E acreditar naquela história de que “se melhorar, estraga” nada mais é que desculpa de gente conformada, de gente que vive na média e que “é isso e tá bom”.
Ninguém é propriedade de ninguém, ou seja, todo dia nós precisamos nos superar e provar para quem gostamos o quanto essa pessoa nos faz alguém melhor; alguém especial.

Cada reencontro deve ser melhor que o primeiro encontro.

A verdade agora é que mais um ano acaba.
Em 2014 teremos mais 365 oportunidades de falar mais sobre amor do que indiretas, de gerar mais risadas do que discussões, de dar mais beijos do que desculpas, de abraçar mais do que falar que sente saudade, de curtir mais dias reais do que fotos que registrem dias reais.

Que este ano novo que se aproxima sirva também de inspiração para você se renovar e se tornar uma boa pessoa, preferencialmente, se tornar aquela pessoa que gostaria que alguém fosse pra você.

Que o sentimento de ano novo se faça presente não só no brinde à meia-noite, mas também em todos os outros segundos seguintes.
Não dá pra garantir que tristezas não vão acontecer, mas do mesmo jeito que sabemos como evitar viver ou reviver coisas ruins, é melhor preferir pensar só em todas as coisas boas que estão por vir.

Feliz ano novo,
com amor,
Márcio Rodrigues.
(Quero agradecer à todo mundo que acompanhou este blog em 2013, que compartilhou textos, que curtiu a página no facebook e segue no twitter, que comprou o livro e que de alguma maneira dedicou algum segundo da sua vida às palavras que escrevo aqui. Obrigado mesmo! Vocês contribuíram para que 2013 fosse o melhor ano da minha vida!)

Compre agora o seu livro “Um Travesseiro Para Dois”: http://migre.me/hdGiY

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s