Eu quero mesmo é que se exploda

Leia ouvindo: 

Uma vez eu falei que amava uma pessoa e aí pensei que nunca mais diria pra outra. Fazíamos planos e até os nomes dos filhos nós já tínhamos. Aí quando surgiu outra pessoa eu tinha certeza que ela essa a pessoa que eu mais amava na vida. Já tínhamos escolhido onde morar e onde seria a nossa lua de mel. Essa pessoa me abriu os olhos pra ver que eu posso me enganar e que isso nem sempre é problema, desse modo, me fez acreditar que todo o amor que eu já senti um dia não se comparava ao que eu sentia por ela, e que pra mim, ela seria a última pessoa a ouvir confissões de amor da minha boca. Até aparecer outra pessoa que me fazia rir com coisas que nunca imaginei. Até aparecer outra e depois outra.

É claro que eu já quis o amor dos filmes.
(e tenho o direito de ainda querer!)

Já quis viver aquela felicidade que a propaganda mostra e já quis fazer aquelas viagens no fim de ano pra ter um monte de foto depois. E eu quis isso tudo com todas as pessoas com quem vivi algo digno para se chamar de história.
Não me arrependo, porém, de nenhuma delas, não me arrependo de não ter dado certo como eu imaginava e nem de eu ter me decepcionado tantas vezes. Na verdade, devo dizer, na verdade eu posso dizer até que devo agradecimentos pra cada uma delas, pois foi graças à essas pessoas que já passaram por mim que eu me tornei quem eu sou hoje.

O amor é algo muito bom pra ser sentido apenas uma vez. A vida é justa.

Evidente que injusto é querer comparar o que sentimos por cada uma das pessoas, até porque nós gostamos de uma coisa em cada uma delas, gostamos mesmo é de pedaços das pessoas, mas onde quero chegar é que em todas as vezes em que estive certo de que aquele era o amor da minha vida e de que aquilo jamais acabaria, eu me enganei até conhecer o próximo amor da minha vida.

O amor mora em cada piscada de olhos que damos.

Eu poderia enumerar algumas centenas de motivos para me fazer desacreditar nessa história de gostar de alguém de novo. O fato de eu ser uma prova de que podemos gostar de muitas pessoas nessa vida me gabarita pra espalhar por aí que essa história de uma pessoa só pra vida toda é tudo história pra boi dormir. Mas eu não faria isso. Eu não brincaria com o sentimento de ninguém nem em brincadeira.

Minhas decepções trouxeram mais que lágrimas; trouxeram lições.

Foi em cada “não estou mais afim de continuar” – ou algo do tipo – que já ouvi nessa vida que percebi quão forte a gente consegue ser quando quer. Depois de juntar os cacos do que sobrou de mim a cada novo fim, sempre me reergui de modo que parecia que eu nunca tinha passado por algo ruim antes. Eu nunca menti, eu nunca fingi! Acontece que eu preferi mudar a forma de ver e simplesmente coloquei na cabeça que essas pessoas não me merecem. Nós podemos ter o orgulho do que sentimos!

Nem toda pessoa é digna da nossa companhia.
E nós sempre seremos a nossa melhor companhia.

Só que quando estamos envolvidos, bem lá no meio do furacão, faz sentido ignorar qualquer conselho e o que vale mesmo é mergulhar sem olhar pro fundo do mar. E eu acho isso bonito porque é muito legítimo! Vivem a vida aqueles que se permitem.

O que mudou em mim daquela pessoa que pensou se apaixonar pela última vez, para essa que hoje brada que o amor sempre vai acontecer, é que hoje eu prefiro parar de planejar as coisas. Parei de pensar que porque não deu certo uma vez nunca mais dará de novo. Parei de pensar que todas as pessoas são iguais. Parei de ser tão calculista sobre o que eu devo sentir – o amor não se calcula. Que saco ficar lendo um monte de coisa que me diz o que fazer, música que falta dizer como é bom sofrer, eu quero que tudo isso se exploda. Parei de querer ser de um jeito que acho agradável e comecei a ser do jeito que eu sinto que devo ser. Parei de sentir tanto medo em recomeçar de novo. Parei de ficar lembrando de quem já gostei.

De tudo que eu parei de fazer, o que ainda permanece intacto em mim é a minha vontade de viver dias bons pra comemorar, venham do jeito que vierem. E parecer clichê, né? Que assim seja, que seja clichê não querer sofrer também.
Hoje eu só não quero mais pensar em coisas que não deram certo na minha vida e nas pessoas que dela partiram, prefiro dedicar minha vida pra tudo de bom que está chegando.

abt

Compre agora o seu livro “Um Travesseiro Para Dois”http://migre.me/hdGiY
CURTA:
 http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois

Anúncios

5 respostas em “Eu quero mesmo é que se exploda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s