Você Está Fazendo Isso Errado

Acho que não é muito bem por aí.
Não que eu exija demais, só que eu acho que as coisas não são muito do jeito que você está tentando fazer.
Bem, pra começar, vamos entender que estamos falando de nós dois e das coisas que você me falou esses dias, nas quais respeito e valorizo muito e me considero uma pessoa de muita sorte por conseguir despertar tantos bons sentimentos em você.

Só que não é bem assim.
Declarações não garantem relações. Potencializam.

Sei muito bem do que estou falando pois já passei por isso antes. E inclusive, na sua posição de ser quem gosta tanto. Lembro que demorei tanto pra falar, decorei algumas frases, tudo pra de alguma maneira provar que o que eu sentia não era brincadeira, que era real e muito sério. Só que as coisas não correram conforme o meu esperado e foi aí que aprendi.

O que isso tem a ver com a gente é que eu acho que você tem usado um jeito estranho e isso não está fazendo bem.

Pior do que não querer é não facilitar.
E esse não é meu caso. Eu gosto de você, mas não queira me obrigar a te amar.
Entenda que todos os seus esforços com o objetivo de me comover não tem dado muito certo. Todos os presentes, alguns aparentemente bem caros, fazem com que eu me sinta uma pessoa especial pra você, mas não asseguram que aconteça algo entre nós.

Transborde amor, mas não se afogue na enchente.

Não precisa se preocupar em me acompanhar na volta pra casa, em me dar os livros que  eu comento ou em me comprar os DVD’s das músicas que eu posto na internet, não precisa ir por esse lado.

O jeito de dizer uma palavra impressiona mais do que a palavra dita.

É claro que não acho que esteja tentando me comprar, não vou entrar nesse mérito. Até porque desde que nos conhecemos já deixei bem claro esse essa é uma das coisas que mais odeio nas pessoas em geral. O seu problema é esse seu esforço cego.

A diferença entre convencer e conquistar é o que eu preciso sentir da sua parte.

Você já me convenceu do quanto gosta de mim, do quanto me faria feliz e do quanto a gente poderia viver muitas coisas boas juntos, mas você tem se esquecido de me conquistar.

Seus presentes me trazem sorrisos mas não aquecem meu coração.

E eu gostaria que não encarasse isso como insensibilidade, e sim como sinceridade, pois eu poderia me aproveitar e deixar no ar o quanto os seus agrados me fazem feliz, só que eu prefiro deixar claro que tudo isso é bonito, mas não é especial.

Não que eu seja um produto com um manual de como conquistar, mas as premissas são simples e foram elas que aprendi nas vezes que me vi nos eu lugar.

Ao invés de se fazer presente curtindo todos os meus posts e fotos na internet, poste algo que mostre como você é e como você pensa; ao invés de me falar sobre as coisas que tem comprado, me diga algo que você consiga fazer que não precise de dinheiro.

Isso não é lição de moral, só estou dizendo que pelo menos comigo algumas das coisas que tem feito não estão dando resultado.

Tudo que eu espero de qualquer pessoa é que ela seja pra mim exatamente o que ela é pra todas.

E você é uma pessoa boa, não precisa me provar isso, só precisa me deixar ver.

#CURTA: http://www.facebook.com/umtravesseiroparadois

A Partir de Agora, Sou Eu

Fiz questão de guardar algumas das fotos que tiramos juntos. Não é nada de especial com relação a você, é que eu gosto de me lembrar das coisas boas que já vivi. Procuro, com muito esforço, transformar qualquer lembrança ruim em algo que me acrescente positivamente.
Desde que ousei em tentar traduzir a dor da saudade em algo que me servisse de lição, comecei a respirar melhor o ar dessa cidade. Muito embora, é bem verdade, vez ou outra me vejo asfixiado diante da sua presença involuntária; vez ou outra sinto a sua mão na minha perna no banco do ônibus. Entendo que tudo isso faz parte do processo de cicatrização, tudo isso faz parte.

Se eu tivesse a oportunidade de te ver de novo, certamente algumas coisas eu não deixaria de falar.
Só que, pensando bem, eu não quero te ver de novo e não é nada contra você, é que simplesmente não preciso. Estou dia após dia seguindo com a minha vida, e ter sua presença de volta de alguma forma só vai me atrapalhar, afinal, eu nunca menti quando disse que não queria que terminássemos, quando chorei na sua frente, quando não, pelo telefone, te pedindo e quase implorando pra pensar direito sobre o que estava fazendo com você, comigo e com a gente. Não foi fácil e palavra nenhuma descreve o que eu passei. O que eu, felizmente, já passei.

A sua lembrança é o suficiente de presença em minha vida.

E é por isso que eu brindo sem ninguém andando pelas ruas por aí. Brindo o amor que sinto por mim mesmo, o quanto eu gosto de mim. Comemoro a maior lição que aprendi com a nossa história: Eu jamais posso gostar de alguém mais do que de mim mesmo. No entanto, é claro que entre uma fala e outra, num auge da sensibilidade, a gente até pode soltar um “gosta mais de você do que de mim mesmo”, isso faz parte, faz parte como o tão esperado dia do “eu te amo”. Há ingredientes que precisam ser colocados na receita de um relacionamento para que ele dê certo, contudo, é preciso lembrar o peso de cada um deles, e eu aprendi muito bem a dosar tudo que eu falo e demonstro. Isso não significa que mudei e me tornei mais calculista, pelo contrário, anseio pelo dia de ter um novo amor confesso, quero dizer que isso faz parte de um amadurecimento, de uma defesa, de uma certeza de quem eu sou. Como diz um escritor que gosto: “a diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem”.

Vivo por uma vida sem excessos, mas respeito a exceção dos excessos de vida.

Olha, foram incontáveis às vezes em que faltou eu clicar no “enviar” para te mandar uma mensagem de saudade. Outras muitas vezes eu dei um toque no telefone só pra ouvir o teu “alô”. Já teve vezes também que tentei forjar um encontro você, já que eu sabia dos teus horários. Era tudo desespero. Eram tentativas pra te fazer entender o tamanho do amor que eu sentia, a força que ele tinha e o valor que eu esperava que desse. Só que foi tudo ao contrário, e novamente, não te culpo por isso. Vivíamos em páginas diferentes de uma mesma história.

Reciclei tudo que ouvi de muita gente, de nichos diferentes, pessoas que você conhece, outras que não, para formar uma opinião oficial sobre o que eu penso do que é o meu amor. Às vezes que me pego infantil lendo o horóscopo procurando algum tipo de refúgio e também, por quê não, alguma previsão de quando o coração vai acelerar novamente, são só vezes em que percebo o quanto de amor tenho a oferecer. Isso se aplica também que me vejo protagonista dos mais melosos refrões. E se eu pensar por esse lado, é absolutamente justo alguém que faça por merecer todo esse meu sentimento. É por isso que eu não beijo outras bocas aos sábados, que não me rendo a encantos recheados de intenções maliciosas. É por isso que estou aqui, seguindo em frente e vivendo a melhor fase da minha vida.

Hoje estou vivendo os dias da forma que eu sempre sonhei. Consigo me planejar, desenho meus sonhos, construo minhas felicidades, divido com quem é capaz de me fazer derramar uma lágrima de sorriso e não por dor. Hoje, eu sou melhor, muito melhor e a tendência, custe o que custar, aconteça o que acontecer, é que eu fique melhor ainda amanhã. Nessas horas me vem a boca um gosto ansioso pelo amanhã que está por vir.

Talvez a gente se encontre de novo em uma livraria qualquer, aí a gente se esbarra com livros nas mãos, deixamos tudo cair, nos abaixamos ao mesmo tempo, nos olhamos e então percebemos quem nos tornamos.

Talvez não.
E eu não vou achar problema.